Seguidores

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Por acreditar em fadas ,acabei aprendendo a voar com elas (ManyPallo)


FOI ASSIM...

A lua empunhava seu brilho
Um mar revolto
Vento sem lei

Dancei pr ti
A fogueira
acendida nos olhos
A pele a queimar

Seu corpo
Asas de gaivota
Em mil delicias,
me vem acariciar

Numa febre d`amor
na doce ternura
Bailamos....

No sonoro dos silêncios
E das canções
A mais sublime...


ManyPallo


EU ESPERO

Nos campos dos meus sonhos
Vou cavando fontes ,plantando flores
Vou fazendo de ti mais forte em mim

Não me deixe esperando muito tempo
Venha pelas asas dos meus pensamentos
Por um raio do luar
Pelo reflexo pálido dos trigais

O sol aqui brilha azul
Nos meus cabelos
Quero te vivo ,forte ,brando

Não me deixe amor
Vamos dormir nesse leito angelical
Dos meus sonhos
Onde as brumas do tempo
Passam para todos
Menos para nós

Eu espero!
Não demore!

ManyPallo


SEU OLHAR
Esse seu olhar
Que á mim cintila
Sinto nas silabas o verbo amar
Entre o meu e o seu .....
Vou colhendo da chuva fina
Fragâncias...do meu céu particular
Não faço perguntas sobre o verbo
Deixo esse momento brilhar.....
Sinto a fina chuva penetrar no meu corpo
Como amplidão de luz..o meu sentir
E no ocultismo dos desejos loucos
Me limito a sorrir....


ManyPallo


SEU OLHAR
Ah!!! esse seu olhar que carrego comigo
Perdido..
Esse olhar brilhante
De extraordinário viço
Ja pousou em mim como um canto
Tocou me como um aláude
Fez minha alma sua sinfonia
Mas esse olhar que tanto queria
Transformou em palavras
Feriu seu abrigo...
Hoje aconchega em novos horizontes
Dedilha seu aláude em outros olhares..


ManyPallo


Poesias de Many Pallo


Marly Pallo Rincon, casada mãe de dois filhos, artista plastica e Assistente Social com especialização hospitalar.
Não tenho a pretensão de ser poeta, mas como escreveu o filósofo Voltaire em sua Espìstola ao Rei da China: A poesia é necessária ao homem. Quem não ama a poesia, tem um espirito àrido e pesado; os versos são, na realidade a música da alma!

Fotografia de NerySoul


http://nerysoul.deviantart.com/

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Fotografia de Salvador Pozo e Poesias de Dolce Bárbara



















segunda-feira, 24 de maio de 2010

Poesias de Erikah Azzevedo e Imagens de Karol Bąk

Extremamente sábia , 
desde menina sabia dar vida 
ao sopro das palavras 
que multiplicavam 
os sorrisos.

(Erikah Azzevedo)

Pinturas de Karol Bak


Karol Bak (nascido em 1961) - pintor, ilustrador, artista gráfico. Nos anos 1984 - 1989, ele estudou na Universidade Nacional de Belas Artes (actual ASP) em Poznan, no departamento gráfico. Estudos completou dois diplomas com menção honrosa no estúdio de artes gráficas prof. Tadeusz Jackowski e estúdio de desenho da prof. Jaroslaw Kozlowski.
Prêmios recebidos: 
- Prêmio para gráficos, "Diploma de 89", Toruń 1989
- I Prêmio e uma medalha ", exposição de obras XXI dos melhores gráficos e desenho da medalha de ano. Wroniecki John.
Depois de estudar por três anos, se envolveu em desenho e gravura. Durante os vários anos seguintes trabalhou na concepção e tomou um artísticas algumas viagens. Na segunda metade dos anos 90 começaram a cultivar a pintura a óleo, que profissionalmente envolvidas na desde 2000.
O artista criar estes incluem ciclos temáticos como "Sailing", "Diálogos", "casulos", "Halo", "quatro elementos", "Judite e Salomé".
Pintor teve várias exposições individuais e participou em exposições colectivas parunastu, principalmente na Polônia, Alemanha e Países Baixos.
actualmente empenhados em pintura de cavalete ea parede (fresco), e design gráfico e decoração de interiores.
Seus trabalhos podem ser vistos nos salões de exposição: Galeria Renes, "Poznan", Klucznik Gallery, Gdańsk, "Galeria SD", "Tamka Gallery, Varsóvia, e" Galeria Go '- Amsterdam, Holanda; "Beeldkracht Galerias - Scheemda, Holanda ", Rainbird Galeria de Belas Artes" - Londres, Reino Unido, "POLART - Krefeld, Cabanas, a Alemanha, a Galeria Ícone, Virginia, E.U.A..
Vive e trabalha em Poznan.
http://www.karolbak.com/

Poeta Erikah Azzevedo


Quero a caneta, a linha, o papel , a tinta ....e todos os verbos possiveis. Quero a ação, o movimento. As palavras , as frases , o texto...sentimentos perfeitos? Apressados são todos os meus instantes. Vivo a incessante procura pela verdade dentro de um instante momento que se move. A vida definitivamente é movel, ou você segue ou fica pra trás. Um momento petrificado, estacionado no tempo, só mesmo em pensamento .Queria mesmo era uma verdade inventada, lispectoriamente petrificada! As vezes a tenho, outras parece-me água fugindo pelos dedos. Importante mesmo é molhar as mãos, o corpo, mergulhar de cabeça a não ter que ver secar a alma. Alma seca não pode ser fertilizada, não germina nada ,não faz brotar o sentimento . O que de verdade quero? Um amanhã hoje , se possivel. Um ontem quase que inexistente . Se me perguntarem quem sou , eu digo! Sou vida, intensidade, paixão..urgencia! Entre estes..terás meu nome. Careço, padeço, tenho fome...e não só!. (ErikaH Azzevedo)